O Android está para os smartphones como o Windows para a plataforma PC, mas engana-se os que pensam que esse festejado sistema operacional para dispositivos móveis foi criado pela gigante Google ― na verdade, a empresa comprou o software do programador americano Andy Rubin, e com ele dominou o mercado. Mas isso é só um detalhe. Interessa mesmo é dizer que o criador do Android acha que os telefoninhos inteligentes ficaram muito complicados, e pretende mudar isso com um novo celular: o ESSENTIAL PHONE.

Com tela de 5,6 polegadas e bordas finas, corpo de cerâmica e titânio, carregador sem fio e quatro câmeras (3 fixas, com resolução de 12 MP, e uma descartável, que filma e fotografa em 360°), o dispositivo impressiona. Mas impressiona ainda mais o ambicioso projeto do seu desenvolvedor, que pretende lançar o ESSENTIAL HOME ― gadget capaz de controlar várias funções da casa do usuário ― e o Ambient OS, similar ao Android Things, destinado a garantir a interoperabilidade entre dispositivos, mesmo que de fabricantes diferentes. Basicamente, a ideia de Rubin é juntar numa só plataforma todas as tecnologias de inteligência artificial e internet das coisas, torando tudo mais simples e fácil de usar.

Por enquanto, só o celular está no mercado, ao preço (nos EUA) de US$ 700.

Com Superinteressante.