De uma maneira geral, programas espiões se aproveitam da inexperiência ou ingenuidade das vítimas para invadir os sistemas-alvo sem ser detectados ou barrados por softwares antivírus e de firewall ― até porque essas ferramentas não são “idiot proof”, ou seja, não são capazes de proteger o usuário de si mesmo. Para piorar, as ferramentas de segurança (notadamente as gratuitas) podem não oferecer a interface em português como opção, o que dificulta a compreensão das mensagens e, consequentemente, pode levar um usuário menos atento a autorizar uma ação que deveria bloquear, e vice-versa. Além disso, eles também podem se disfarçar de aplicativos confiáveis ― ou ser instalados “de carona” com aplicativos legítimos ―, ser executados a partir de anexos de email camuflados ou links maliciosos, aproveitar-se de vulnerabilidades no sistema ou nos programas para burlar a vigilância das ferramentas de proteção e por aí afora.

Em face do exposto, a identificação de ameaças tão sutis requer muita atenção, pois só assim o usuário poderá notar “sinais específicos” de infeção. O consumo anormal de memória e/ou de ciclos do processador quando o computador está ocioso é um bom exemplo, como também o travamento recorrente ou lentidão incomum na execução dos aplicativos, movimentos erráticos do ponteiro do mouse na tela do monitor, acionamento da câmera (webcam) à revelia do usuário, surgimento de ícones estranhos na área de notificação do sistema, abertura inexplicável janelas, navegação lenta, e por aí vai. O problema é que o diagnóstico nem sempre é conclusivo, visto que problemas de software e falhas de hardware também podem ser responsáveis pelas anormalidades retro citadas.

Se você suspeita de que alguém ou algum programinha malicioso o está monitorando sub-repticiamente, desconecte o computador da internet para evitar que a situação se prolongue e as consequências se agravem. Feito isso, execute uma varredura completa com seu antivírus. Caso ele não esteja atualizado ou você desconfiar que sua eficácia foi comprometida, baixe o Microsoft Safety Scanner em outro computador, transfira o arquivo executável para um pendrive, conecte o dispositivo ao PC supostamente infectado e faça uma varredura completa no sistema. Aliás, diversos antivírus são disponibilizados também em versões “portáteis”, que você pode baixar e salvar numa partição diferente daquela em que o Windows está instalado, num HD externo, num pendrive, enfim... Afinal, melhor ter e não precisar usar do que precisar usar e não ter.

Mantenha o software do seu PC sempre atualizado. No caso do Windows, você pode rodar o Update Windows regularmente (pelo menos uma vez por semana), embora seja mais indicado habilitar as atualizações automáticas (veja mais detalhes nesta postagem). Tenha em mente, porém, que não só o sistema, mas todos os aplicativos do seu PC precisam ser atualizados, seja através das correções disponibilizadas pelos respectivos fabricantes, seja através da substituição da versão em uso pela mais recente. Isso pode ser feito manualmente, através de um comando quase sempre presente nas configurações ou no menu Ferramentas dos programas, mas é mais fácil recorrer a aplicativos dedicados, que analisam o software do seu PC e apontam os que precisam de correções/atualizações. Dentre as diversas opções disponíveis, eu recomendo o Filehippo App Manager, o OutdateFighter e o R-Updater ― os três são gratuitos o para uso pessoal.

Melhor ainda é você instalar a excelente suíte de manutenção Advanced System Care, que, dentre um vasto leque de funções, não só baixa e instala patches (remendos) importantes para o Windows, mas também identifica programas de terceiros que estejam desatualizados e disponibiliza os links para as devidas correções. Note também que novas versões dos aplicativos costumam corrigir erros/falhas de segurança e acrescentar funções e aprimoramentos, razão pela qual a atualização é recomendável não só do ponto de vista da segurança, mas também da funcionalidade dos apps.

Por melhor que seja o seu arsenal de segurança, não deixe de fazer checagens regulares com antimalwares online, que rodam direto do navegador ― dispensando instalação e posterior remoção ― e fornecem uma “segunda opinião” sobre a saúde do seu PC. Os meus preferidos são o ESET Online Scanner, o House Call Free Online Virus Scan e o Norton Security Scan. Todos são eficientes e gratuitos, mas não oferecem proteção em tempo real, de modo que complementam, mas não substituem o antivírus residente.

Era isso, pessoal. Espero ter ajudado.