Para fazer o que eu sugeri no finalzinho do post anterior, é preciso que seu computador integre duas unidades não voláteis de armazenamento de dados (drives de HD ou de memória sólida), ou, na falta de um segundo drive, que o existente tenha sido particionado em duas unidades lógicas. Como os discos rígidos atuais são gigantescos (qualquer PC de configuração mediana conta com algo entre 500 GB e 1 TB de espaço) e os notebooks tomaram o lugar dos tradicionais desktops, quase ninguém mais tem dois HDDs internos, o jeito particionar o drive que se tem.

Particionar, como o nome sugere, é dividir o espaço disponível em duas ou mais unidades lógicas ― que o Windows enxerga como se fossem dispositivos distintos. O recomendável seria adotar essa providência durante a instalação do sistema, mas a maioria dos fabricantes de PCs fornecem seus produtos com o Windows pré-carregado, e poucos se dão ao trabalho de criar outra unidade lógica que não uma pequena partição oculta, que é usada para armazenar os arquivos de restauro (assim, eles economizam alguns trocados deixando de fornecer a mídia de instalação do software, que até algum tempo atrás acompanhava o computador).

A boa notícia é que as edições mais recentes do Windows permitem realizar o particionamento da unidade C: a qualquer tempo com ferramentas do próprio sistema, embora eu recomende fazê-lo com utilitários de terceiros... CONTINUE LENDO EM http://fernandomelis.blogspot.com.br/2017/12/como-desafogar-o-sistema-operacional.html