Registros teóricos de programas capazes de se autorreplicar remontam a meados do século passado, embora ninguém falasse em “vírus” naquela época ― essa nomenclatura foi adotada três décadas mais tarde, por conta da semelhança comportamental entre o vírus eletrônico e seu correspondente biológico, já que ambos são capazes de se autorreplicar, precisam de um hospedeiro e se escondem no sistema para evitar a remoção.

De início, os vírus eletrônicos eram apenas “brincadeiras” de programadores que se divertiam criando e disseminando programinhas que exibiam mensagens engraçadas ou obscenas, reproduziam sons inusitados ou assustadores, e por aí afora. No entanto, dada a engenhosidade ilimitada do ser humano para o que não presta, essas pestes logo passaram a realizar ações nocivas ― como apagar dados, inviabilizar a execução de determinados aplicativos, sobrescrever o disco rígido da máquina infectada, etc. Mas vale lembrar que:

  • Um vírus não é necessariamente um programa destrutivo, e um programa destrutivo não é necessariamente um vírus.
  • Worms, trojans, ransomwares, hijackers, spywares e outras pragas digitais que não se enquadram na categoria dos vírus eram comumente consideradas com tal, razão pela qual cunhou-se o termo “malware” ― acrônimo formado a partir de “malicious software” (programa malicioso) ― para referenciar qualquer programa criado com o objetivo de causar algum tipo de dano.
  • Malwares não são coisas sobrenaturais ou prodígios de magia, mas apenas códigos escritos para executar instruções maliciosas e/ou potencialmente destrutivas. Em princípio, qualquer software atende aos desígnios de seu criador, que tanto pode programá-lo para interagir com o usuário através de uma interface quanto para realizar sub-repticiamente as mais variadas tarefas.
  • Salvo raríssimas exceções, o malware age no âmbito do software; na falta de alternativa melhor, uma reinstalação completa do sistema resolve qualquer problema de infecção por malware.

Depois de reinar por décadas como a maior fonte de dor de cabeça para usuários de PCs, o vírus digital (propriamente dito) cedeu o posto ao spyware. Até porque, para os criadores de pragas, melhor que simplesmente danificar computadores é espionar os usuários e obter informações úteis, como dados de login, senhas bancárias, números de documentos e de cartões de crédito. Assim, do feliz casamento entre o vírus e os cibervigaristas nasceu o spyware, que, em vez de clonar a si mesmo e/ou destruir arquivos, monitora a digitação no teclado ou se vale da câmera de vídeo e do microfone para colher dados da vítima e repassá-los ao malfeitor que o controla remotamente.

A maneira como o spyware infecta o sistema-alvo pode variar, mas o objetivo é sempre a locupletação ilícita dos golpistas, que se valem das informações obtidas pelos programinhas espiões para desfechar seus golpes espúrios. E com a popularização da banda larga e do uso de roteadores wireless, a internet se tornou a ferramenta mais usada na disseminação das pragas, ainda que os onipresentes pendrives (chaveirinhos de memória) também sejam largamente explorados.

O resto fica para as próximas postagens. Até lá.