Prosseguindo com as dicas sobre manutenção preventiva e desempenho do computador, veremos a seguir alguns conceitos simples e procedimentos idem, visando minimizar o impacto do tempo e do uso normal do computador no sistema.

Primeiramente, vale lembrar que o Windows precisa de espaço para trabalhar. Embora os discos rígidos dos PCs de fabricação recente sejam capazes de armazenar de 500 GB a 1 TB de dados, não é incomum os usuários, confiando na “infinitude” desse espaço, manterem centenas (ou mesmo milhares) de arquivos volumosos no HD, tais como imagens, músicas, clipes de vídeo, filmes, etc. Em sendo o seu caso, passe em revista seus guardados, mantenha apenas o que precisa mesmo ser armazenado localmente e despache o restante para a nuvem ou para um HD externo, ou então grave esse excedente (notadamente músicas e filmes) em mídia óptica. Lembre-se de que é importante manter livres pelo menos 20% do espaço total do disco, e que o próprio sistema operacional e demais aplicativos já consomem uma boa parte da capacidade do drive.

Para saber quanto espaço livre resta no seu HD, abra o explorador de arquivos do Windows, dê um clique direito no ícone que representa sua unidade de sistema, clique em Propriedades e analise o gráfico em forma de pizza.

ObservaçãoRepare que, nessa mesma janela, você pode comandar a limpeza do disco. Para saber mais sobre essa ferramenta, clique aqui.

Se o espaço ocupado for maior que 60%, faça uma faxina em regra, começando pelos arquivos inúteis e redundantes e seguindo pelos aplicativos ociosos (aqueles que você não usa ou usa muito raramente). A desinstalação de programas é um procedimento simples, mas você obterá melhores resultados com uma ferramenta dedicada, como o Revo Uninstaller, por exemplo ― mesmo a versão gratuita faz uma varredura profunda e elimina a maior parte dos resíduos que os desinstaladores nativos dos aplicativos costumam deixar para trás. Para saber mais sobre a desinstalação de programas, reveja esta postagem.    

Amanhã tem mais. Até lá.