Graças a uma astronômica coleção de imagens capturadas por satélite (sem trocadilho), o Google Earth permite visitar virtualmente qualquer lugar do planeta e, com o concurso do Street View (recurso que permitem andar por ruas) e do Google Maps, rever a casa onde você nasceu, a pracinha onde beijou sua primeira namorada e por aí afora (algumas imagens têm mais de dez anos, mas até aí morreu Neves).

Até recentemente, “viajar” pelo mundo com o Google Earth exigia a instalação do respectivo aplicativo, mas isso deixou de ser necessário, ao menos para quem utiliza um browser compatível com a tecnologia WebGL (requisito que, por enquanto, só é atendido pelo Google Chrome).

Se for o seu caso ― o que é bem provável, já que o navegador do Google é utilizado por quase 82% dos internautas tupiniquins ― acesse earth.google.com/web a partir do Chrome e repare que, no menu do canto superior esquerdo da página do Google Earth, você pode acessar a busca, usar o modo Voyager, ver os seus locais salvos, mudar o estilo do mapa e mais.

Com o Voyager, veja sugestões de locais e pontos turísticos para explorar. Logo abaixo, escolha um tipo de local que você quer visitar ― natureza, cultura, viagens ou monumentos históricos, por exemplo ― ou use a opção Estou com sorte para visitar um local aleatório. Para salvar um local, clique sobre dele no mapa. As informações serão carregadas em um card, na lateral direita da tela. Nele, basta clicar sobre o ícone do marcador. Em Meus lugares, você pode ver a lista de localidades salvas, bem como visualizá-los ou apagar da sua biblioteca.

No canto inferior direito, estão as opções de visualização. Você pode acessar a sua posição, entrar no modo Street View, alternar entre modo 3D e 2D, redefinir a posição do mapa e ajustar o zoom. Para compartilhar um local, basta clicar sobre o último ícone do painel lateral e escolher em seguida se deseja copiar o link, enviar no Facebook, Twitter ou G+.

Com TechTudo.