Depois que as câmeras digitais passaram a equipar os onipresentes smartphones, tirar fotos se tornou uma prática muito comum. Só que não basta uma câmera chinfrim para transformar um simples entusiasta em fotógrafo profissional, daí a importância de contar com um software de edição de imagem para corrigir as inevitáveis barbeiragens.

A maioria das câmeras (aí incluídas as dos celulares) dispõe algum programinha para retocar as fotos, mas seus recursos costumam ser bastante limitados. Mesmo que ninguém precise do Adobe Photoshop para corrigir “olhos de vampiro” em suas selfies, montagens e edições mais rebuscadas demandam um editor de imagens “de verdade” ― que eu recomendo instalar no seu PC, que certamente dispõe de mais memória e poder de processamento do que o smartphone.

O MS Paint, que acompanha o Windows desde as mais priscas eras, oferece lápis, balde de tinta, borracha e outras ferramentas básicas de edição, e permite redimensionar, rotacionar, copiar, recortar e colar imagens com relativa facilidade. Todavia, para algo mais rebuscado ― como remover o fundo de uma imagem, por exemplo ― seus recursos deixam a desejar (até dá para fazer, mas o procedimento é trabalhoso e o resultado não costuma ser grande coisa).

A boa notícia é que editores de imagem para Windows existem aos montes, mas a má notícia é que os melhores são caros, e explorar a vasta gama recursos e funções que eles oferecem demanda tempo e dá trabalho. Então, sem embargo das alternativas que eu sugeri em outras postagens ― como o Gimp, o Paint.net, o Photo Pos Pro etc. ―, edições despretensiosas podem ser feitas tranquilamente através de serviços online, que são gratuitos e mais fáceis de usar do que aplicativos residentes.

No caso da remoção do fundo de imagens, o ClippingMagic é sopa no mel. Basta acessar o site, fazer o upload da imagem cujo fundo se deseja remover, marcar em verde o primeiro plano (a porção que será mantida) e em vermelho o segundo plano (a área que se quer fazer desaparecer) e conferir o resultado ― em caso de dúvidas, é só clicar em Examples ou em Tutorials.

Como nada é perfeito, esse serviço, que era gratuito durante a fase experimental, passou a cobrar pelos downloads ― o pacote de créditos mais em conta é o Light, que custa US$ 3,99 e dá direito a 15 fotos, e, detalhe: os créditos expiram em 30 dias. Claro que sempre se pode  “capturar” a imagem da tela com a foto editada, abrí-la no Paint (ou outro editor de imagens qualquer) e proceder manualmente ao acabamento, até porque é mais fácil recortar ou os quadradinhos cinzas e brancos (ou preenche-los com as cores adequadas) do que fazer o trabalho de cabo a rabo com o próprio Paint. No entanto, existem alternativas online que podem não produzir resultados tão bons como o do ClippingMagic (que são de se tirar o chapéu), mas quebram bem o galho e não custam um tostão. Interessado? Então não deixe de ler a próxima postagem.