É arriscado navegar nas águas turvas da Web sem um arsenal de defesa responsável, composto de um bom antivírus, um aplicativo de firewall e um antispyware, certo? Sim, mas esse entendimento não é unânime.

Para John McAfee, fundador da McAfee Associates e criador de um dos primeiros antivírus comerciais ― que, durante anos, disputou durante anos a preferência dos usuários com o igualmente icônico Norton Antivírus, da Symantec ― usar antivírus não faz a menor diferença.

Tudo bem, John McAfee é doido de pedra. Mas Brian Dye, vice-presidente da Symantec, também admite que os antivírus, se não chegam a ser totalmente inúteis, são insuficientes.

O fato é que o risco de se ter o sistema infectado ― que já é considerável quando se conta com a proteção de um bom pacote “Internet Security” ― aumenta assustadoramente quando não se usa nenhum mecanismo de proteção. Sem mencionar que, a despeito de já existirem “pragas digitais” que se propagam pelo ar (assunto da postagem de abertura desta sequência), ainda não foi criada ― pelo menos que eu saiba ― uma ferramenta “idiot proof” o bastante para proteger o usuário de si mesmo.

CONTINUE LENDO EM http://fernandomelis.blogspot.com.br/2018/01/ainda-sobre-pragas-digitais-como-se.html