Quando não havia smartphones, tablets, roteadores Wi-Fi e banda larga móvel, o PC era a única maneira de acessar a internet (geralmente via conexão discada). Como o famigerado “computador da família” não respeitava a privacidade alheia, a Microsoft tornou o Windows multiusuário e implementou uma política de contas, permissões e senhas de acesso ― que só se tornou confiável a partir da edição XP (baseada no kernel do Windows NT), já que no Win ME, por exemplo, bastava pressionar a tecla ESC para passar pela tela de logon sem digitar a senha.

Atualmente, a maioria dos domicílios conta com um roteador wireless, mas as senhas continuam sendo importantes, já que cada vez mais usamos serviços baseados na Web, e o acesso não autorizado a alguns deles ― como netbanking ou mesmo webmail ― pode causar sérios aborrecimentos.

Nesta sequência (de 4 postagens), trataremos de dois vieses dessa questão, começando pela eliminação da tela de logon ― que nos desobriga de fornecer a senha e, portanto, economiza alguns segundos a inicialização do Windows. Essa dica é útil para os impacientes de plantão, mas, por óbvio, só deve ser levada a efeito por quem não compartilha sua máquina com outros usuários. Mais adiante, veremos como recuperar a senha de logon no Windows 10, que exige bem mais trabalho do que nas edições anteriores do sistema.

Para acessar o primeiro capítulo da novela, siga o link https://fernandomelis.blogspot.com.br/2017/10/sobre-senha-de-logon-no-windows-10.html e boa leitura.